Varanda da Sinhá da Camiranga
 


ENTREGA PRO UNIVERSO!

E teve uma vez que passou aqui pela Camiranga e vilinhas dessas paragens um sujeito que se dizia guru, conhecedor das sabedurias lá do Oriente. Sujeitim falava umas coisas compricosa que só ocês vendo mes. Era um tal de falá em inteligência superior de outras galáxias, alinhamento dos planetas, das teorias de uns físicos dos estrangeiro, uma tal de numerologia, cabala disso e daquilo. E tome juntar números, e fazer contas, e uns papo cummmmmmprido sobre matéria, molécula, átomo, protóns, espaço, tempo que entorta, que desentorta, um angú de caroço daqueles impossíver de desencaroça. E quano povim perguntava pr'ele sobre os perrengues normais da vida, do tipo ansim, como enfiá juízo na cabeça de filha desmiolada, como se livrá de uma sogra encruada -- daquelas que tem 99 anos e num tem jeito de morrê e pará d'azucriná -- como lidar com mulher resmungadora, ou home turrão, esses causos mais urgentes que tem em todas as famílias, o tal do guru só sabia falá ansim: entrega pro universo. E dava um sorrisim, como se tivesse falado a coisa mais certa dessa vida. E povim num entendia que diacho de conversa mais enrolada era aquela. 

Depois de uns dias povim largou o tal do guru pra lá, causo de que essa conversa de entregá tudo pro universo tava enchendo os picuás de todo mundo. Apelidim do guru virou "Disco Quebrado". Mas pelo menos a passagem do guru por essas paragens valeu pra uma coisa: deu uma idéia pra um rapaizim lá da Coxaminga que tinha perdido o emprego e tava desacorçoado, sem sabê como ia alimentá a renca de bacuris qu'ele tinha em casa. Por sinar o nomim dele sabe qualéquié? Universo, tomém cunhecido como Versim da Coxaminga.

Ele abriu uma portinha e Takeo fez lá a plaquinha, um tar de Delivery. Dizia ansim: 

                                                      

                                            "Carece de quarqué coisa? Aprecia um leva e traz?

                                    Entregue pro Universo e esfrie a cabeça

                                           Serviço garantido, é zás trás"

No começo povim num tava entendendo nadica de nada, mas dali a pouco viram que era coisa boa,uma dessas modernidade diagora, coisa chique que diz que tem de monte nas cidade grande ansim feito Sum Paulo e Belrizonte. E desdintão sempre que alguém dessas vilinha quer despachá quarqué coisa (carta, bilhetim anônimo, galinha poedeira, burro chucro, o que ocês imaginá) eles entrega pro Universo. E Versim parece notícia ruim, circulando rapidim, entregando de um tudo pela Camiranga, Coxaminga, Curuça, Cudumundópolis e inté nas vilinhas pra lá do Fim do Mundo.

Vivente esqueceu o guarda chuva em casa e caiu um toró? É só telefonar pra lojinha do Delivery e dali a pouco o Universo vai entregar.Ou carece de um supositório no meio da noite, de um sal amargo, um Viagra atômico? É só ligar pra boticario qu'ele entrega pro Universo e dalí a pouco o sofrente tá podendo cuidar do fiofó, refrescar as tripas, ou botar a gurumbumba em órbita. Eita que a Camiranga tá ficando chique por dimais num é mes? 



 Escrito por Sinha Clementina às 23h40
[] [envie esta mensagem] []


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
 
 
 


BRASIL, Sudeste, pra lá de Deus me livre!, Varanda da Rede da Paz, Mulher, Mais de 65 anos, Causos da vida alheia, estórias do povim


 





 buraco do Negao
 BOL - E-mail grátis
 UOL - O melhor conteúdo



 Dê uma nota para meu blog